Certificação de Comércio Justo – A “Métrica de Sucesso Social” do Triple Bottom Line Por Ryan Black

Kolbie Richardson
9 min read Sustentabilidade
Category Sustentabilidade
Date
Read time 9 minutes
Fair Trade Certification–The “Social Success Metric” of the Triple Bottom Line By Ryan Black

Há 21 anos, tomei meu primeiro açaí em uma viagem ao nordeste do Brasil com amigos. A experiência foi emocionante e memorável. Uma nova fruta, um novo sabor, um “smoothie in a bowl” comido à colher com múltiplas texturas e sabores, cativou-me a atenção e as papilas gustativas. Foi delicioso, foi funcional, foi aventureiro. Meus amigos e eu, e milhões de outros, tornamo-nos viciados no sabor do açaí, na textura congelada de sorvete e na energia que ele fornece tanto do açúcar quanto da cafeína fornecida pelo guaraná, outro extrato amazônico com antecedentes amazônicos. Foi amor à primeira vista.

Nas semanas que se seguiram, e ao retornar para a Califórnia, meu vício se transformou em uma espécie de obsessão. Comecei a pensar na oportunidade de negócio de introduzir esse superalimento no mercado dos Estados Unidos. Cada vez que eu descascava outra camada da cebola, ficava melhor. Descobri que o açaí tinha um perfil nutricional mais parecido com azeite ou abacate combinado com mirtilo ou romã. Estava cheio de ácidos graxos ômega saudáveis ​​e quantidades incríveis de antioxidantes e até fibras: nutrientes que são conhecidos por fornecer energia enquanto limpam o corpo e combatem os radicais livres.

Continuei pesquisando e li como o açaí tinha acabado de ser “descoberto pela mídia”. Com essa fama recente, a demanda na Amazônia brasileira por esse superalimento disparava. Aprendi como o açaí crescia em palmeiras altas na Várzea da Amazônia, ou várzeas, e que até o início dos anos 90 fora do Norte, o brasileiro médio nunca tinha ouvido falar de açaí. As bagas vêm da mesma árvore do palmito, que certamente era mais comum e para o que as árvores geralmente eram cultivadas até então.

As pessoas que trabalhavam com o açaizeiro viviam na Amazônia rural, principalmente em pequenos lotes de terra cultivados pelas famílias locais que viviam neles. Além dos pais e filhos, essas famílias também incluem os avós e, portanto, o tamanho médio da família é tipicamente de cinco a dez pessoas.

SAMBAZON Açai Brazilian Amazon
Para sobreviver economicamente, a maioria das famílias se dedicava a várias atividades locais para ganhar dinheiro, como pesca, carcinicultura, cultivo de frutas e ervas ou extração do palmito do açaí Palmeira. Apesar dessas atividades, a maioria desses habitantes locais vivia em extrema pobreza, ganhando menos do que o salário mínimo típico do Brasil, cerca de US$ 150 por mês, o que é quase impossível de sobreviver, não importa em que país você viva.

Esta luta para ganhar a vida na Amazônia rural muitas vezes leva a um “êxodo rural” onde as famílias devem abandonar a floresta e se mudar para as cidades para encontrar trabalho. O êxodo rural tem sido associado à perda de cultura e contribui para a superlotação e pobreza nas cidades urbanas que, nos últimos 30 anos, também se tornou um grande problema para a região amazônica, contribuindo para a desnutrição, falta de moradia, poluição e exploração de mulheres e crianças.

Como alternativa, você tem os chefes de família e, às vezes, também os jovens mais velhos que deixam suas comunidades para encontrar trabalho rio acima ou em áreas mais industrializadas e podem ficar fora por meses a fio. Isso pode levar a estresse emocional para mães e filhos, e longos períodos entre a pessoa que trabalha traz dinheiro de volta para a família para pagar as necessidades básicas. Os homens geralmente vão trabalhar entre outras indústrias; mineração, soja, pecuária, madeira, carvão, etc. , que são sujas, perigosas, prejudiciais à saúde dos trabalhadores e grandes contribuintes para a destruição ambiental, desmatamento e mudança climática.

Depois tinha açai; a nova e altamente procurada, altamente lucrativa e abundante palmeira crescendo em seus quintais dianteiros (e traseiros). Isso era melhor do que o comércio de palmito ambientalmente porque não exigia cortar e matar a árvore. Era parte de um sistema de colheita selvagem, de modo que a biodiversidade não só foi protegida, mas aumentada em comparação com a remoção total das árvores comuns em basicamente todos os outros sistemas disponíveis na Amazônia. Não foi cultivada em uma plantação, por isso não exigia herbicidas ou pesticidas nocivos, irrigação ou fertilizantes que prevalecem em monoculturas como soja, café, coco ou banana. Forneceu um salário digno para os pequenos agricultores familiares, mantendo as pessoas na terra em vez de nas cidades ou trabalhando em alguma indústria tóxica ou destrutiva distante, e ajudou a proteger a biodiversidade da Floresta Amazônica. Não é à toa que o chamam de superalimento com poderes deliciosos!

Os locais chamam o açaí de “ouro da Amazônia” porque é tão abundante e, quando vendido, provou que o dinheiro realmente cresceu e, de fato, cresce em árvores. Encontramos uma matéria no site do Greenpeace que dizia: “…os pequenos e profundos açaís roxos são o produto florestal não madeireiro (PFNM) mais importante em termos de dinheiro para o povo da Floresta Amazônica”.

Lembro-me de sentar com meus co-fundadores uma tarde e dizer uau, você pode acreditar que esse presente de superalimento é desconhecido na maior parte do mundo e que sua indústria está em sua infância? …E se formos bem-sucedidos, poderemos olhar para trás em 20 anos e ter ajudado a moldar uma indústria? Imaginamos que se o açaí não só tivesse um domicílio protegido como Champagne na França ou Tequila nas cinco áreas do México, pudesse ser reconhecido internacionalmente não apenas pela região de onde veio, mas e se pudéssemos torná-lo uma commodity “sustentável”? Isso exigiria certificação orgânica e de comércio justo e milhares de produtores certificados. Poderia acontecer. Propusemo-nos a partilhar esta história e provar esta fruta a todos e a todos que pudéssemos e, sempre que o fazíamos, o resultado era um “Sorriso Roxo”, independentemente da idade, cidade ou país.

Ao mergulharmos na cadeia de suprimentos, aprendemos rapidamente que o produto estava mudando de mãos muitas vezes por meio de uma série de intermediários, o que poderia resultar na exploração dos produtores, muitas vezes deixando-os com uma parcela muito pequena do renda pela qual o açaí acabou sendo vendido. Fomos mais fundo, estudando toda a cadeia de abastecimento e descobrindo ineficiências que deixavam as pessoas a montante na base da cadeia de abastecimento com menos do que o seu quinhão, ou oportunidades a jusante para melhorar os padrões de processamento.

Como o mercado de açaí em escala tinha menos de uma década, percebemos que ainda não existiam padrões industriais modernos, nem padrões sociais ou ambientais, regulamentos, nem mesmo as melhores práticas. Então, decidimos ser pioneiros, recrutando especialistas de ONGs locais e internacionais, organismos de certificação e acadêmicos.

Ryan Black CEO of SAMBAZON
Lembro-me de ter ouvido que realmente não importava o quão “sustentável” ou “verde” nosso projeto pudesse ser se não houvesse “atração” ou demanda do consumidor pelo produto. Sabíamos que para ter algum potencial de impacto real na região precisávamos criar demanda e conscientização para esse produto florestal no mercado dos EUA. Começamos pela formalização de padrões industriais para ter um produto de açaí pasteurizado que pudesse ser exportado para todo o mundo e atendesse aos mais altos níveis de segurança alimentar. Também começamos essencialmente indo de porta em porta para bares de sucos na Califórnia com uma pequena equipe com a incrível história de açaí certificado e amostras de produtos para compartilhar.


Começamos a estudar uma filosofia chamada Triple Bottom Line, que mede o sucesso social, ambiental e econômico. Estávamos iniciando nossa atividade econômica comprando e vendendo o produto, mas em termos de sucesso ambiental para medir não havia açaí orgânico certificado e, por ser uma cultura de colheita silvestre, nenhum certificador de qualquer padrão havia considerado como aplicar esses padrões a este produto. Patrocinamos uma das maiores ONGs do Brasil, FASE, e o especialista mundial em açaí, Herve Rogez, um pesquisador belga que vive na Amazônia, para desenvolver um plano de sistemas orgânicos para o açaí.

Então, demos o salto e contratamos um certificador orgânico americano para viajar até o campo e avaliar nossas operações e garantir que nosso trabalho árduo atendesse aos padrões rigorosos exigidos para a certificação orgânica. A SAMBAZON tornou-se o primeiro açaí orgânico certificado do mundo e mais tarde influenciou muitas outras empresas de açaí a seguirem nossos passos.

SAMBAZON Certified Organic and Fair Trade Açai
Esse tipo de trabalho é chamado de “Agrofloresta Sustentável”, e com nossa equipe de especialistas, instituições públicas e privadas, e muita paixão e inspiração, concluímos uma série de treinamentos com quatro diferentes cooperativas na região do Pará que no total representavam cerca de 400 famílias ou 4.000 pessoas. Abaixo, uma foto de um dos primeiros encontros com uma das Cooperativas.

SAMBAZON Meeting with Cooperatives

Nosso programa de colheitadeiras envolvia diretrizes para produtores, verbas para assistência técnica e treinamento que incentivavam as melhores práticas para obter maior rendimento e qualidade, ao mesmo tempo em que proibia outras práticas, incluindo o uso de produtos químicos e pesticidas. Focamos no espaçamento adequado das árvores para não promover a intensificação ou monocultura e a proteção da biodiversidade da floresta. Muito tempo foi gasto explicando a documentação e os requisitos da cadeia de custódia para que pudéssemos atender à conformidade, auditoria e transparência adequadas exigidas pelo plano de sistemas orgânicos reconhecido pelo NOP do Departamento de Agricultura dos EUA e outros órgãos orgânicos em todo o mundo.

Mesmo como uma startup, vendendo menos de US$ 10 mil de açaí por mês nos EUA, iniciamos esses programas e também pagamos um prêmio sobre o preço de mercado do açaí para os novos produtores certificados por esse trabalho extra e documentação necessária. Fizemos esses investimentos, apesar de dificilmente ganharmos o suficiente para nos sustentar ou nossos esforços de marketing para criar conscientização e demanda, muito menos as várias ONGs e agências terceirizadas com as quais estávamos comprometidos. Acreditávamos no Triple Bottom Line e sabíamos que ele pagaria dividendos no futuro.

No lado da medição social, era ainda mais complexo. Ainda não existia nenhum órgão certificador que oferecesse a certificação Fair Trade para o açaí. Para oferecer tal certificação, seria necessário haver uma equipe local para determinar as melhores práticas, monitorar e aderir às regras ainda a serem desenvolvidas e fazer cumprir a conformidade. Ao contrário da certificação orgânica que tinha regulamentos bem desenvolvidos, as ONGs locais ou as cooperativas não tinham condições de prestar tal serviço. Desistir não era uma opção e o comércio justo estava começando a ser falado para outros sistemas de cultivo e encontramos uma organização com sede nos EUA chamada Fair Trade Federation da qual poderíamos nos tornar membros e projetar nossas melhores práticas de acordo com suas regras. Isso foi em 2003, antes de existir uma certificação para o açaí. Então, em 2008, EcoCert, com quem na época trabalhávamos como nosso certificador orgânico oficial, começou a oferecer certificação de Comércio Justo para a palmeira de açaí com base em muitos dos princípios do Comércio Justo Programas da Federação que havíamos desenvolvido.

A SAMBAZON e a EcoCert desenvolveram e implementaram um sistema Fair for Life com diretrizes internacionais, incluindo um programa pelo qual, com cada dólar de açaí que compramos das comunidades de produtores, pagamos dinheiro adicional em um “ Fair Trade Fund” que distribuiríamos anualmente em nossas comunidades de produtores. Este fundo tem sido usado para construir ou reformar escolas, empregar professores, financiar instalações de saúde, programas extracurriculares, etc. Até o momento, a SAMBAZON reinvestiu ~$ 1.000.000 diretamente nessas comunidades a partir deste Fundo de Comércio Justo.

O Comércio Justo como uma certificação social é importante porque não só garante um salário justo, mas também garante a transparência e auditoria de terceiros e conformidade na cadeia de abastecimento. A certificação Eco-Cert Fair Trade afirma que os produtores devem receber um salário justo, não importa quão baixo seja o custo do produto. Desenvolvendo uma cadeia de custódia transparente, a certificação de comércio justo destaca o compromisso de operadores certificados como a SAMBAZON para a melhoria contínua, com uma abordagem de longo prazo, em cada etapa da cadeia de valor. A SAMBAZON definiu um padrão com os produtores da região amazônica e ganhou reputação por diretrizes rígidas para essas certificações.

O Comércio Justo não é apenas uma das melhores medidas sociais para garantir salários justos, mas também é uma certificação de conformidade essencial para práticas trabalhistas, incluindo trabalho infantil. A Organização Internacional do Trabalho (OIT), define o trabalho infantil como o trabalho que priva as crianças (qualquer pessoa com menos de 18 anos) da sua infância, do seu potencial e da sua dignidade, e que é prejudicial ao seu desenvolvimento físico e/ou mental . A SAMBAZON se opõe estritamente ao trabalho infantil e está empenhada em erradicá-lo por meio da educação e da certificação e conformidade de terceiros.

Celebramos o Comércio Justo este mês e os padrões que ajudamos a estabelecer e que agora estão se tornando normas na indústria do açaí. Estamos muito satisfeitos que muitas de nossas empresas parceiras que trabalham com açaí tenham adotado esses princípios, incluindo a certificação orgânica e a certificação de comércio justo, resultando na elevação do padrão de vida dos produtores e suas famílias. Esse aumento de renda por meio da agrofloresta sustentável incentiva mais tempo a ser dedicado à educação e à família, e menos tempo necessário para deixar suas casas e comunidades para buscar renda em outro lugar.

Nas últimas duas décadas, os frutos do nosso trabalho foram recompensados ​​com o sucesso do Triple Bottom Line. Embora tenha levado algum tempo e muito trabalho duro, o SAMBAZON agora está prosperando economicamente, ambientalmente e socialmente cada vez mais.

Há 20 anos, somos o SAMBAZON - Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Brasileira.

Kolbie Richardson

Kolbie Richardson é uma líder de marketing digital dedicada e voltada para resultados, com um espírito empreendedor determinado a criar campanhas estratégicas, bem-sucedidas e criativas voltadas para a marca.

Together we Açaí

Receba receitas, dicas e inspiração na sua caixa de entrada.

Comments

(0 Comments)

Please note, comments need to be approved before they are published.